quarta-feira, 15 de novembro de 2017

[Enquadrando] Tex: O Profeta Indígena

HQ ♦ Salvat ♦ Sergio Bonelli ♦ Tex ♦ Onde Comprar


  Tex provavelmente é o mais famoso personagem dos quadrinhos italianos, e um dos mais antigos dos quadrinhos mundiais, apesar disso essa é apenas a segunda história que leio do personagem.
  Tex é lançado no Brasil de forma ininterrupta a mais décadas do que eu tenho de vida, e normalmente os fãs são assustadoramente fervorosos.
  Mas por que é tão pouco conhecido, ou pouco lido, não se vê muita gente falando sobre Tex na blogosfera. Ele é um quadrinho meio fora da curva, não segue o padrão de irrealidade dos quadrinhos que fazem mais sucesso em nosso país, são histórias mais realistas, estilo bang-bang ambientado no velho oeste americano.
  Tex Willer, também conhecido como Águia da Noite pelas tribos indígenas é um ranger do Texas (lembra dos filmes de Chuck Norris?) que tem seu grupo formado por Kit CarsonKit Willer e Jack Tigre.
  Outro motivo que faz com que Tex seja pouco conhecido e comentado nessas terras tupi-niquins é o fato de ser lançado aqui pala Mhytos Editora, uma editora não muito conhecida (apesar de lançar também personagens como Konan e Hellboy) e que pratica preços abusivos em suas publicações, a coleção da Salvat vai dar continuidade a uma coleção que a Mythos lançava, o encadernado é colorido e em capa dura (além de formar um painel quando juntar todas as lombadas), parecido com as edições da Mythos, enquanto a Salvat vende pelo preço habitual de R$39,90, a Mythos tinha como preço de capa R$79,90 e esse é o preço comum deles, as edições de J. Kendall: As Aventuras de Uma Criminóloga também são lançadas pela Mythos, formato pequeno de qualidade bastante inferior, saem por mais de R$20,00 o volume.
  Então, se querem conhecer o personagem e colecionar boas histórias aproveitem a coleção da Salvat.
  Mas agora vamos falar sobre a história: Um recluso Hualpai tem uma visão onde o Grande Espírito aparece para ele na forma de um grande urso negro e lhe incumbe da missão de juntar as tribos para uma guerra contra o homem branco, e ele logo coloca seu plano em prática para incitar os indígenas à guerra, Tex é avisado por Dois Troféus, um xamã que não aceita se unir para a destruição do homem branco.
  Uma coisa bacana é que apesar de ser ambientado no velho oeste e eu ter lembrado constantemente do livro-documentário Enterrem Meu Coração na Curva do Rio, nosso protagonista não expõe nenhum tipo de preconceito em relação aos índios, ele quer impedir uma guerra, e como todo bom bang-bang ele acaba matando alguns inimigos (vários, na verdade).
  É claro que as histórias são visadas em colocar os texas rangers como heróis, o que na vida real não era exatamente assim, como pode ser visto no livro supracitado. Mas é um bom divertimento, além de mostrar o perigo de líderes fanáticos capazes de manipular as massas.

Talvez te Interesse...


  O grupo de Tex, como já disse é formado por quatro homens, na foto acima podemos vê-los, da esquerda para a direita: Jack Tigre, um índio Navajo que luta pelo bem comum e paz entre os "pards" e os índios ao lado de Tex, mesmo não fazendo parte dos texas rangers; Kit Willer, filho de Tex com uma mulher navajo chamado Lilith, foi criado entre os navajos, que o chamavam de "Pequeno Falcão", depois de perder a mãe se juntou aos Rangers para seguir os passos do pai, mesmo que este não quisesse essa vida para o filho, foi batizado com o nome de Kit em homenagem ao padrinho, que ele chama de tio; o próprio Tex e Kit Carson, o veterano que se tornou parceiro de Tex quando esse entrou na força policial conhecida como texas rangers.

Sinopse da Edição

Manitary é um jovem profeta pele-vermelha que, "guiado" pelo Grande Espírito, quer reacender o orgulho dos Hualpais. Tomado por esse sonho impossível, ele desencadeia um inferno, reunindo em um único exército todas as tribos do deserto, a fim de derrotar e expulsar para sempre os homens brancos das terras do Sudoeste, que outrora pertenceram aos nativos. Mas, em seu caminho, Manitary encontra Tex Willer e seus Pards, decididos a tudo para impedir que uma suposta profecia maluca se transforme em uma carnificina inútil.


____________________________________________________________________

Como estou usando postagens comuns para dar avisos, aqui vou postar o resultado da enquete da última postagem, sobre os livros que serão "resenhados" no blog, será na ordem do mais votado para o menos.

 E é isso!


domingo, 29 de outubro de 2017

Sobre Livros Não Lidos


   Meu foco nunca foi meu forte.
  Então decidi parar de lutar com os 17 livros que estão em andamento e refazer a minha TBR Jar (mais alguém ainda faz isso?), e com a aquisição do Kindle e da possibilidade de enviar documentos a ele, juntando com um site que disponibiliza livros digitais de forma gratuita, minha pilha de não lidos, que já era grande, chegou a marca de, absurdos, 391 livros não lidos em mãos, isso é mais do que eu li a vida toda.
  Então decidi proceder da seguinte forma, vou me ater a um dos livros que estou lendo no momento (Quando os Anjos Silenciaram) e depois que eu terminá-lo vou sortear um livro do meu pote para ler em seguida (vou despejar o conteúdo do pote em um recipiente maior, para que todos os livros tenham chance de desencalharem), mas existem algumas regras:

  1.  Se eu pegar, digamos, O Glorioso Aparecimento, que é o penúltimo livro da série Deixados Para Trás eu vou devolver o papel ao pote e ler Nicolae, que é o terceiro, já que já li os dois primeiros e não vou pular todo o resto, certo? Isso se aplica a todas as séries.
  2. Se eu pegar uma coletânea de contos, vou devolver o nome ao pote e ler um conto e sortear novamente, claro que se eu me empolgar e ler o livro todo tá valendo também, mas a princípio será apenas um conto.
  3. Tenho minhas manias, então se sair 1Q84 vou devolver ao pote (até porque são três volumes, e não sei se vou lê-los em seguida) e ler as distopias clássicas primeiro, porque a trilogia é tem relação com 1984, e depois dele quero ler Admirável Mundo Novo, Farenheit 451 e Laranja Mecânica antes de ler a trilogia, questão de segurança, vai que tem ligação também.
  4. Se eu tirar Desespero, vou lê-lo e em seguida ler Os Justiceiros, porque as capas são complementares e quero deixar "bonitinho" no Skoob.
  5. Este Mundo Tenebroso também terá o nome devolvido ao pote para servir para o segundo volume também.
  E é isso, pode parecer uma postagem inútil, mas escrevendo isso me sinto obrigado a cumprir, e também fico com vergonha com a quantidade de não lidos.

  Ah, quero fazer umas opiniões sobre alguns dos livros que li no período de hiato do Hiattos (:P) Então se puderem votar na enquete abaixo para me dar uma luz de sobre qual falar primeiro, ou sobre qual falar(ponto), agradeço bastante ^^

terça-feira, 24 de outubro de 2017

A Cultura do Beijo


  Toda sociedade tem seus problemas de convivência,
  Não temos nenhuma utopia, pelo menos até onde sei, mas uma coisa que ninguém pode negar é que o ser humano, em sua maioria, é bastante afetuoso. Brasileiros são conhecidos como beijoqueiros, e por mais que sempre existam os que tem segundas intenções com o gesto hoje vim falar do que o apóstolo Paulo chamava de "ósculo santo".
  Na nossa sociedade é comum cumprimentarmos pessoas do sexo oposto com um tocar de bochechas que chamamos de beijo. Nunca fui um adepto disso, depois que desenvolvi a arte do abraço, mandei às favas o aviso de "não invada o espaço alheio". meus amigos sabem que adoro estalar as costas de quem vem me cumprimentar, mas vamos dar uma frisada no "meus amigos".
  Por muito tempo tive resistência a qualquer contato humano, talvez algum dia eu fale sobre isso, mas como diz Martha Medeiros, não há lugar mais aconchegante que um abraço, depois que aprendi isso me empenhei para que além de me aconchegar pudesse aconchegar outros (as vezes causar uma pequena dor com o aperto, às vezes levantar e rodar) mas quando isso passou para o nível do beijo.
  A Bíblia fala em diversos momentos, saudai-vos uns aos outros com ósculo santo e frases similares. O ósculo santo ou, trazendo para as palavras atuais, beijo na face é conhecido mundialmente como um sinal de afeto, carinho e amor fraternal. Nossa sociedade prega, por assim dizer que é de bom tom um homem cumprimentar uma amiga com um beijo no rosto (dependendo onde você viva, até com três). Mas acho isso um tanto sexista, claro que beijo minhas amigas, sem segundas intenções, mas se isso é um ato puro de carinho e afeto não deve se restringir ao sexo oposto, claro, ainda vivemos em uma sociedade machista e um homem beijando a face de outro pode ser interpretado de forma errada, mas eu aprendi, a pouco tempo, alguns limites.
  Hoje tenho alguns amigos que cumprimento com um beijo na face, dado durante um abraço (como o Obama na foto no começo da postagem), mas ainda me restrinjo aos mais íntimos, que me conhecem e sabem o que isso significa, que tem maturidade pra não fazerem brincadeiras bestas. Que entendem que é um ato de amor fraternal e a ressurreição, por assim dizer, de uma forma milenar de demonstrar afeto.


quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Mais uma transição


   Olá povo,
  Essa postagem era pra ter saído cerca de uma semana e meia atrás, mas... paciência.
  Então, nessa vida passamos por diferentes etapas e nunca paramos de crescer, mudar e nos reinventar. No meu caso isso se reflete bastante no blog, tanto que quem acompanha desde o início (devem ter uns dois ou três dentre as sete ou oito pessoas que visitam esse espaço que se encaixam nesse ponto) sabe o quanto ele já mudou, ele nasceu na época daquela propaganda da caixa econômica que virou meme, lembra? Isso influenciou na escolha do nome, e minha parca habilidade de edição de imagens, que não teve muito progresso nesses quatro anos teve peso no primeiro banner:
 que logo mudou para:
até finalmente virar algo descente, ou quase, a partir dessa postagem.
E aí descobri que o novo acordo ortográfico poderia me ajudar esteticamente e virou:
E essa foi "a era de ouro" do blog, onde ele cresceu bastante, com certeza mais pelos sorteios do que qualquer outro motivo.

  Mas como eu disse as coisas mudam, e quando digo coisas estou incluindo pessoas, a alcunha de antissocial já não me cabia mais, tive uma... renovação de mente, por assim dizer, e comecei a ver o mundo de forma diferente, foi aí que o blog virou o Hiattos, sem uma postagem específica informando, pelo menos que eu me lembre, acho que comentei em um vídeo sobre Os Miseráveis (que já faz um ano que comecei a ler e ainda não terminei OMG), ou na página do blog no facebook, página essa que está coberta de poeira e teias de aranha já que não tenho mais entrado na rede social, um belo dia percebi que além de tomar muito tempo da minha vida me fazendo vegetar vendo várias e várias coisas que não me adicionavam nada de útil e ver que as pessoas se tornam incrivelmente hostis se perguntam sua opinião sobre um determinado assunto e depois descobrem que você não pensa igual a elas (sem generalização, mas duvido que todos dissessem frente a frente o que dizem por lá).
  Enfim, mudança de hábitos sociais, mudança na forma de usar a internet, mudança total de vida e mudança de estilo de leitura, os livros já não me são mais deuses como já considerei, e essa será a mudança mais significativa no blog, ele finalmente deixará de ser exclusivamente literário. Sem o Facebook tenho tido muito mais tempo para aproveitar a vida e passar com meus amigos.
  Mas sobre o que o blog falará agora? Talvez alguém tenha se perguntado. Ele será destinado a escritos, estilo crônicas opinativas, sabe? Aquelas coisas que quero comentar sobre mas que não se encaixam bem em uma roda de conversa numa mesa do Subway. Ainda falarei de livros, nada impede, inclusive tem dois que recebi de autores (na verdade um livro e um conto) justamente para divulgação. são eles:

Pseudônimo Mr. Queen (que gostei, apesar de várias coisas não fazerem muito sentido)
Por Trás da Mágica (que se tivesse chegado a mim a uns dois anos atrás, até um pouco menos, na verdade, eu teria adorado)

Ah, puxa, dei spoiler das  postagens sobre cada uma das obras, enfim, agora foi.

Enfim, é isso, todos são bem-vindos para acompanhar essa nova fase da minha vida, serão recebidos da melhor forma possível, espero vocês.


quarta-feira, 4 de outubro de 2017

O Caminho do Feixe de Luz [Guia de Leitura de A Torre Negra]



  Oi povo,
 Vamos começar essa postagem dizendo que teremos grandes mudanças nesse blog, explicarei isso melhor na próxima postagem, que se tudo der certo sairá no próximo domingo.
  Enfim, meu gosto tem mudado bastante, cada dia mais, e algumas coisas já não são tão "essenciais" quanto um dia já considerei, uma delas é ler toda a obra do Stephen King, claro que ainda gosto do autor e se surgir a oportunidade vou ler sim a obra dele, mas já não dou tanta importância a isso, mas se você pretende se aventurar na série da Torre Negra (cujo filme saiu esse ano e, como eu esperava, não tem absolutamente nada a ver com os livros) deve saber que existem milhares de referências ao restante da obra do King na série. 
 Mas será que é necessário ler todos os livros dele para pegar todas as referências? A resposta, pequeno gafanhoto, é não! Encontrei um guia na internet com uma ordem de leitura para que nenhuma referência te escape.
   Claro que você pode ler apenas a série e ignorar qualquer ligação externa, mas eu, particularmente, acho interessante não fazer isso, tanto que pensei em comprar o box e ler na ordem desse guia, relendo os livros que já li, mas mudei de ideia, de qualquer forma resolvi compartilhar esse guia com vocês.
  Os livros que já li estão com as postagens referentes a eles linkadas a suas fotos ;)

Compre pela Amazon e ajude a manter o blog

  E que melhor maneira de começar do que pelo primeiro livro da série, eu li esse a quase quatro anos atrás e ainda me lembro bem dos acontecimentos, se prepare para entrar em um novo mundo onde poucas coisas serão explicadas.

  O próximo da fila é um livro que super queria ler a uns 4 anos atrás, mas depois que o comprei ele ficou ali, esquecido, já vi o filme e... com várias ressalvas, gostei, mas não consigo imaginar o que Saco de Ossos tem em comum com A Torre Negra, provavelmente alguma coisa que não colocaram no filme.

  O terceiro livro do nosso guia é A Escolha dos Três, o segundo livro da série. Li esse em março de 2014 e lembro que foi nele que a série me fisgou de verdade.

  O quarto livro é Os Olhos do Dragão, que só li depois de ler o quarto livro da série, e se tinha alguma relação com o terceiro eu passei batido, mas temos um personagem desse que aparece, de forma um tanto modificada, na série.

  Então chegamos ao quinto passo em direção a Torre, e ao meu livro favorito da série As Terras Devastadas é o terceiro volume da série e é onde conhecemos realmente alguns segredos, onde somos apresentados aos vilões, onde vemos os reflexos do mundo médio no nosso, e onde acontece a cena mais incrível que foi até, razoavelmente, respeitada pelo filme.

  Chegamos então ao mega-calhamaço A Dança da Morte, e todo o pessoal que faz esse guia fala que é essencial ler esse livro antes do quarto volume da série... eu não li, mas como sei "marromeno" sobre a história consegui pegar a maior referência, e tenho várias teorias sobre as outras, maaaas, dizem que você só vai entender o quarto livro lendo esse primeiro (talvez por isso tenha sido tão difícil avançar nele para mim, claro, isso e o fato de ter 1012 páginas)

  O sétimo livro é Mago e Vidro, o quarto volume da série, falei ali em cima das 1012 páginas, mas depende da sua edição, inegável é que esse é o maior livro da série, e só perde para dois ou três desse guia.

  Seguimos então para O Vento Pela Fechadura, que é uma história dentro de uma história, dentro de outra história. Também é um dos meus favoritos da série, é mais para conhecer o mundo do que para avançar na série, até porque ele foi escrito depois da série concluída e adicionado no meio da história, sem influenciar muito no que acontece depois (eu acho, foi o último da série que li)

  Chegamos então ao livro que todo mundo está lendo por esses dias, ou leu no ano passado. Tenho algumas teorias sobre qual é a ligação entre It e a série, mas como não terminei a série e nem li A Coisa prefiro não fazer papel de bobo.

  O décimo livro é Insônia, mas acho que pode ser lido mesmo antes de começar a série, é um dos livros mais lentos que já li na vida, e ele é grande, então se prepare pra uma loooonga leitura, é gritante a ligação dele com a série, pelo menos nele, acho que lá pelo quinto livro deve ter referência a ele na série.

  Falando em quinto livro da série, nosso décimo primeiro livro é Lobos de Calla, ainda não li esse, mas sei que a rosa estará ameaçada aqui (afinal ela já estava em evidente perigo lá no terceiro livro) e talvez isso não faça sentido pra você que nunca leu a série, mas se você leu você sabe: As rosas são importantes.

  Chegamos então a Jerusalem's Lot, ou 'Salem Lot, para os íntimos, no posfacio de Mago e Vidro o autor fala qual personagem desse livro aparecerá na série (estragando a surpresa? Talvez) e é interessante ler para conhecer o dito personagem, além do livro ser muito bacana.

  Nosso décimo terceiro livro é Misery, o livro mais pé no chão do autor que já li, sem nada de sobrenatural além de uma clara referência ao hotel de O Iluminado, o que me faz ficar pensando... que raios esse livro tem a ver com uma série de fantasia?

  Talvez o livro mais cruel que eu já tenha lido do autor, mesmo que eu não tenha nem chego na metade dele ainda, Desespero é outro livro que, pelo menos até onde eu li, não tem nada e sobrenatural (além de psicopatismo), não sei que relação terá com a série. Acho interessante aqui fazer uma menção honrosa a Os Justiceiros lançado pelo pseudônimo de Richard Bachman, já que são livros espelhos e até as capas se complementam.

  Finalmente pegando um livro mais curto, temos o sexto livro da série, Canção de Susannah cujo título me deixa bastante curioso.

  Nosso décimo sexto livro é uma coletânea de contos, Tudo é Eventual, mas não são todos os contos que entram na brincadeira das referências, apenas dois: Tudo é Eventual, que dá nome à coletânea e As Irmãzinhas de Eluria.

  Voltando para os grandes calhamaços temos O Talismã escrito em pareceria com Peter Satraub

  E também A Casa Negra, que tenho quase certeza que é uma continuação d'O Talismã, não li nenhum desses, mesmo assim tenho teorias sobre a ligação deles com a série.

  Chegamos então ao décimo nono livro do guia com o sétimo volume da série, A Torre Negra finaliza a série, mas ainda temos mais dois livros e um conto nesse guia.

  Sei muito pouco sobre Rose Madder, mas é outro que imagino qual tipo de ligação terá com a série, sei que esse é o favorito de muitos fãs do King, principalmente dentre os que preferem os livros não voltados para o terror, como ainda não li não posso opinar sobre isso.

  Então vamos para um dos livros que menos me chama a atenção em toda a obra do King Buick 8 é considerado por quem já leu uma tentativa frustrada de colocar uma nova Christine no mundo.

  Nosso vigésimo segundo e último livro é, na verdade, um conto, como já disse, mas é um conto bem extenso e poderia muito bem ser publicado como livro, como isso não aconteceu você pode encontrar O Nevoeiro na coletânea Tripulação de Esqueletos, e se você assistiu a série da Netflix, sinto muito pelo tempo de vida desperdiçado.

  E é isso povo, o Feixe de Luz está aí, basta segui-lo, se assim desejar.


quarta-feira, 20 de setembro de 2017

[Opinião] O Poder dos Seis - Pittacus Lore

Compre pela Amazon e ajude a manter o blog

Editora: Intrínseca

N° de Páginas: 320

Sinopse:
  O planeta Lorien foi devastado pelos mogadorianos, e seus habitantes, dizimados. Exceto nove crianças e seus guardiões, que se exilaram na Terra. Eles são como os super-heróis que idolatramos nos filmes e nos quadrinhos - porém, são reais. O Número Um foi morto na Malásia. O Número Dois, na Inglaterra. E o Número Três, no Quênia. Tentaram pegar o Número Quatro, John Smith, em Ohio, e falharam.
  Em O Poder dos Seis, John e a Número Seis se recuperam da grande batalha contra os mogadorianos, que quem ainda fogem para salvar a própria vida. Enquanto isso a Número Sete está escondida em um convento na Espanha, acompanhando pela internet notícias sobre John. Ela se pergunta onde estão Cinco e Seis, imaginando se um deles é a garota de cabelo preto e olhos cinza dos seus sonhos, cujos poderes vão além de tudo que ela já imaginou, aquela que tem a força para unir os seis sobreviventes.

Sinopse:
  Eu confesso não ser, ainda, pelo menos, um fã fervoroso da série, tanto que eu gosto do filme, que os fãs "de verdade" odeiam, reconheço que ele tem sim seus problemas, mas considerando o filme do primeiro livro e o segundo livro (que não teve filme), o filme é melhor.
  Claro que as coisas são bem diferentes, mas enfim.
  Começamos esse livro já com um susto, não é mais John Smith, aka Número Quatro, que está nos contando a história, nossa principal narradora é Marina, conhecida pela Garde como Número Sete, e ela divide a voz com a Número Seis. O foco do livro é Marina, em como a sua Cêpan meio que abandonou a missão que lhes foi designada e ela teve que aprender a controlar seus legados sozinha, legados esses que são muito mais legais do que os do Número Quatro, diga-se de passagem: ela pode respirar embaixo d'água, ver no escuro e reviver plantas, e mais para frente descobre que pode curar outros seres vivos também.
  Marina acompanha a caçada a John Smith pela internet, com a certeza de que ele é o Número Quatro (menininha esperta), e começa a se ver vigiada por estranhos quando sai em público, a paranoia vai crescendo e ela cria uma certeza de que os mogadorianos já a conhecem e estão esperando que Quatro, Cinco e Seis morram para poder matá-la também.
  Aqui temos uma noção da quantidade exorbitante de mogadorianos que estão no planeta, e do real poder que eles possuem.
  Só para dar uma pincelada nos momentos em que Seis, e mais tarde, Quatro, narram, vamos dizer que não temos grandes avanços, apenas no final do livro, boa parte é enchimento de linguiça, e um romance desnecessário, que desfaz parte da mitologia que nos é apresentada no primeiro livro, quando eu começava a ler um capítulo e via que não era narrado pela Marina eu já desanimava, Seis está mudada, ela está parecendo uma mocinha indefesa, bem diferente do que nos é apresentado no primeiro livro, a linha narrativa deles só engata de verdade e se torna relevante mesmo no último quarto do livro, onde eles se separam para cada um enfrentar uma batalha diferente.
  É um livro bom, não vamos crucificá-lo, tem sérios problemas, inclusive na parte da Espanha, onde acompanhamos Marina, mas vale a pena a leitura, por ser fluida e simples. E a ideia da série é instigante, estou lendo o terceiro livro (a passo de cágado manco, mas estou) e até o momento tem sido bem melhor, então mesmo que, assim como eu, você não suporte esses ataques de amor adolescente, vale a pena passar por eles para dar continuidade à série.


domingo, 17 de setembro de 2017

[TAG] Um Livro Que...

  Oi povo,
  Hoje vou responder uma TAG. Na realidade é uma TAG sobre filmes, que vi no canal da Tati Feltrin (assista também), mas vou adaptá-la para livros, vamos ver no que dá. Ah, sim. As fotos dos livros estão linkadas com a postagem específica sobre ele, se houver.

→ Um livro baseado em uma história real


Não é nem baseado, é a verdadeira história da Malala, é um dos meus livros favoritos da vida, vale muito a pena






→ Um livro que merece ser premiado, ou já foi

Eu tenho um carinho tão grande por esse livro :3
Além de desejar que ele fosse mais conhecido devido a todo conteúdo anti-racista, familiar e sobre se doar pelo próximo, o livro merecia um prêmio (pelos motivos já mencionados e também) por ser escrito de forma tão bela e sentimental, ele mostra como a vida é frágil e o quanto as pessoas que nos cercam são importantes, mesmo, ou talvez principalmente, quando a gente se recusa a ver isso.


→ Um livro que lembre sua infância


Não que eu tenha lido ele na infância (nem recomendo que crianças leiam isso), mas eu fui uma criança viciada em dinossauros, tipo, em um nível que beirava o alarmante, até hoje tenho um certo interesse, mas nem se compara ao que era, então, tudo que envolva dinossauros me lembra a infância.




→ Um livro que marcou sua adolescência




Esse foi o livro que me tornou leitor, quando eu tinha meu 17, 18 anos (antes disso eu não lia, fazer o quê?), não concordo com tudo que o livro retrata, mas sem dúvida é um livro incrível, que figura entre meus favoritos até hoje.





→ Um livro que te traga boas lembranças


Então, esse livro é recheado de personagens odiosos, o que leva muita gente a não gostar dele, mas ele me dá boas lembranças porque eu o estava lendo no dia 22 e 23 de julho de 2013, dias que nevaram aqui, e o livro fala o quanto o personagem ama a neve e tals, e bem enquanto eu lia isso começou nevar, por isso tenho boas lembranças com ele.



→ O melhor documentário/Livro reportagem



Assim... vocês vão ter que me perdoar, acho que nunca li nada assim, para não deixar sem resposta vou colocar O Brasil tem Cura da Rachel Sheherazade porque, pelo menos, ela é jornalista :)



→ Um livro que te faça rir


Este é outro livro sobre o qual estou devendo postagem, mas ele super se encaixa nessa categoria, Max Lucado é um comediante minha gente, não vou falar muito dele agora, mas rolei de rir com as colocações dele nesse livro.




→ Um livro que te faça chorar



Sempre, SEMPRE, que o assunto é chorar eu me lembro desse livro, acho que até um psicopata choraria lendo ele, também é um dos meus favoritos (e se você acha que não pode ser mais triste que o filme, está enganado)




→ Um livro que fica na cabeça



Pois olha, no meu caso, todos.
Mas pra dizer algum vamos ficar com esse, que faz qualquer um lembrar da infância.



→ Um bom livro de máfia



Acho que o que mais se aproxima de máfia, dentre tudo que já li, pelo que me lembro, é uma família que conhecemos nesse livro, não é um livro de máfia, mas como nunca li O Poderoso Chefão nem nada que o valha esse vem tapar o buraco ^^


→ Um ótimo livro de guerra



Mais um livro lido antes da criação do blog, agora pensando, acho que ele se encaixava como livro reportagem...




→ Um livro no qual você gostaria de ser personagem



Pode ser a Bíblia? Afinal estamos vivendo Atos 29, certo?
Enfim, se não puder vamos colocar As Crônicas de Nárnia, é parecido :p





→ O último livro que você leu



Inclusive, li porque fiz parte de um book tour organizado pela autora, preciso fazer uma postagem sobre ele logo.




→ Um livro que seja biográfico



Li esse livro a uns 3 ou 4 anos já, sou um grande admirador do trabalho do Nick e da pessoa que ele é, poderia também entrar na categoria de livro que me fez rir, esse cara é hilário, estou lendo, bem vagarosamente, a continuação, e ele continua impagável.


→ Um livro de zumbi



  Na época que li gostei muito.... mas não acho que, se lesse hoje, curtiria.





→ Um livro sobre alienígenas


Quando vi essa questão me veio esse livro imediatamente a mente, até porque não leio muito sobre alienígenas. O Apanhador de Sonhos é um livro que, apesar de não lembrar muito, lembro que gostei, principalmente da amizade entre os quatro (ou 5, não lembro bem) protagonistas, amizade essa muito mais tocante no livro do que no filme, o filme é... estranho.


→ Um livro do seu autor favorito


Tópico deveras capcioso, levando em conta que nem sei escolher um autor favorito, pensei muito para escolher esses, mas ainda tive de deixar alguns de fora, mas enfim, hoje, a resposta é essa (logo, mês que vem, provavelmente, sai minha opinião sobre Até Que Tenhamos Rostos)

→ (Um filme de animação) Essa eu decidi "transmutar" para: Um livro infantil com com mensagens bem adultas, ou que qualquer adulto possa curtir.

Pra essa resolvi pegar um livro que ainda estou lendo, não vou falar muito dele ainda para deixar vocês na expectativa (haha) mas vou adiantar que ele se encaixa em ambas as categorias.





→ Um livro com um vilão inesquecível



Li esse livro bem antes de criar o blog, emprestei para uma "amiga" e ele nunca mais voltou, mas isso não é relevante para o que viemos fazer aqui. O fato é que o vilão desse livro é memorável devido a inteligência e paciência que demonstra, pra não estragar a experiência não vou dar mais detalhes.



→ Um bom livro de comédia


Eu sei que ninguém mais fala desse livro, sei também que todo mundo morre chorando quando o lê (ou quando leu), mas é inegável que a primeira metade do livro é uma comédia só, meu pai vinha no meu quarto perguntar se eu estava bem porque não parava de rir (na verdade ele só veio me perguntar no outro dia com quem eu estava conversando de noite que não parava de rir)




→ Um livro que seja da década de 80



Depois de procurar bastante encontrei esse, são duas histórias publicadas nesse livro, uma publicada em 1979 e a outra em 1980, os outros que olhei eram de muito antes ou só a partir de 95 então...




→ Um livro de serial killer



Para lembrar de um dos poucos livros que li na época de escola, escolhi O Mistério da Rua do Beco, foi, provavelmente, o primeiro suspense investigativo que li na vida, e lembro de ter ficado "UOOOOOOOOOÓu" ainda lembro muito bem da história, mas não acho mais tão genial assim.



→ Um livro que tenha um personagem que seja presidente

Outro tópico que bati o olho e já sabia qual livro colocar aqui, não é novidade, infelizmente, que muitos presidentes não têm uma conduta muito admirável, mas o "excelentíssimo homem do povo" que nos é apresentado nesse livro está muito além dos limites éticos e morais.






→ Um livro sobre fuga



Fiquei em dúvida entre esse, A Mais Pura Verdade e Onde Cantam os Pássaros, optei por esse porque... sei lá, tem dois personagens que passam o livro fugindo.




→ Um livro com um casal marcante



Não leio muitos romances, mas sempre tem um casalzinho nos livros né?! Enfim, escolhi esse porque é uma história que me surpreendeu muito e que o casal (na linha narrativa que se passa no passado) mereciam uma vida melhor, passei o livro todo (tá bom, todo não, mas desde que eles começaram a se engraçar) torcendo pra que conseguissem ficar juntos e... vocês vão precisar ler o livro pra saber que fim levaram.


→ Um livro do Woody Allen (no caso, um que te lembre o diretor, porque acho que ele só tem um livro publicado, e eu não o li)



Quando ouço Woody Allen a primeira coisa que me vem à cabeça é Martha Medeiros, nunca prestei atenção em quem são os diretores dos filmes que assisto, tanto que nem sei se já assisti a algum desse cara, tanto que a primeira vez que vi esse nome foi nesse livro, dessa gaúcha tão apaixonada por ele.



→ Um livro que envolva esporte


Minha leitura sobre esportes está bem próxima à minha leitura de romances, não me interesso muito por nenhum dos dois assuntos, felizmente existe a série do Myron Bolitar pra poder responder essa parte da TAG, qualquer livro da série terá alguma coisa a ver com esporte, vários falam de basquete, futebol americano ou tênis, esse, que foi o primeiro que li, fala sobre golfe.




→ Um livro sobre viagem no tempo




Esse é um autor favorito que me obriguei a deixar de fora da questão lá de cima, mas só o fiz porque ele ia aparecer de qualquer jeito, então... Enfim, não sei se posso dizer que é realmente viagem no tempo o que temos aqui, é algo muito mais complexo, mas acho que, de certa forma, ele se encaixa na categoria, e leiam esse livro, ele é expetacular.



→ Um livro de tribunal


Na primeira parte desse livro acontecem alguns crimes, a segunda parte é o julgamento da personagem suspeita de ter cometido tais crimes, então acho que conta, certo?





→ Um livro que se pareça com a história da sua vida



  Confesso que escolhi esse por falta de opção, semelhanças com a minha vida ele tem, deixa eu ver.... já fui criança (avá), e cresci em uma sociedade extremamente racista.





  E é isso, gostaria de ver as respostas 
da Kelly, do blog Café e Bons Livros
do Tony do The Tony Lucas Blog
da Nina do Nina e Suas Letras
do Gabryel do Confins Literários
e da Gabrielle do Frases Perdidas

  E é isso povo, ainda tenho várias postagens atrasadas, mas esse mês vamos continuar no ritmo domingo e quarta, qualquer coisa mês que vem a gente dá uma acelerada ;)




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...